A participação dos estudantes na governança e funcionamento da escola.

30/10/2017

Jordi Collado Llombart. Diretor Garbí Pere Vergés Badalona.

Escola Garbí Pere Vergés Badalona é uma escola modelo, laica, aberta e diversificada com 870 alunos da educação infantil 3 ao 2º grau, em duas linhas.

É parte da Fundació Escoles Garbi e, juntamente com outra escola irmã, foi fundada pela pedagoga Pere Vergés e, portanto ambas são herdeiras da antiga Escola del Mar e do movimento Escola Nova.

Na Fundació Escoles Garbí, formamos homens e mulheres do futuro como cidadãos proativos, capazes de transformar a sociedade em que vivemos em um ambiente justo, solidário e sustentável.

Nossos alunos, acompanhados por educadores que são líderes em todos os momentos e em um ambiente de atenção pessoal, aprendem a pensar, sentir, amar e agir com uma abordagem vivencial de aprendizagem e de valores, o que lhes permite liderar e desenvolver seus projetos de vida, dos 3 aos 18 anos.

A escola Garbí Pere Vergés é estruturada como uma cidade ideal, na qual todos exercem os seus direitos e deveres. A cidade atua como um motor e gerador de uma coexistência baseada no respeito, na liberdade e na responsabilidade.

Nosso objetivo educacional é capacitar que nossos alunos a atuar como cidadãos conscientes do mundo em que vivem, para que valorizem a beleza e ajam com respeito pela sociedade e o meio ambiente e para ser cidadãos felizes e competentes.

A liberdade, a responsabilidade e o respeito são nossos valores fundamentais, presentes em todas as atividades. Os alunos têm a liberdade de decidir, encontrar seu caminho e focar a vida no que preferirem. Mas eles devem fazer isso com responsabilidade, autolimitando-se, conhecendo seus pontos fortes e fracos, concentrando-se em alcançar o objetivo vital que eles apresentaram com esforço e dedicação. E sempre com respeito uns pelos outros, por si mesmos e pelo mundo que os rodeia.

Para atingir esses objetivos, estamos convencidos de que o único meio é dar aos alunos espaços e tempos educativos para exercer e praticar os valores e atitudes que os tornarão cidadãos responsáveis. É por isso que organizamos o centro como um modelo de cidade em que os alunos atuam em atividades cívicas de participação, colaboração, serviço e governo.

Nós oferecemos a eles oportunidades em que eles têm liberdade para governar e decidir, e eles aprendem a responsabilidade da tomada de decisão. Eles são respeitados por ocupar um cargo e aprendem a respeitar o cargo dos outros. Eles entendem que a sociedade e a escola funcionam com a contribuição de todos, para o bem de todos. Tudo isso sendo praticado e vivenciado, já que os valores não são ensinados, são aprendidos atuando no dia a dia, ganhando autonomia moral.

A organização educacional do centro para a prática de todos os itens acima é baseada nas atividades que chamamos de Vida Social. Atividades para o funcionamento diário de nossa cidade-escola, para passar da responsabilidade pessoal para cívica e social. Estas atividades são:  as cores, as posições, os conselhos, a aprendizagem-serviço e o voluntariado.

As cores – esforço pessoal em benefício coletivo

Todo aluno, desde o infantil 4, escolhe pertencer a uma das três cores (branco, verde ou azul). Todos os alunos da mesma cor pertencerão a ele como uma equipe, grupo, partido ou família.  É usada a divisão por cores para organizar grupos, equipes, trabalho colaborativo, algumas competições. Os alunos sabem que seu esforço contribui para o sucesso da sua cor, bem como para o funcionamento geral do centro. As cores são usadas na prática esportiva, organizando a corrida de cores, na qual alunos de todas as idades de uma mesma cor se revezarão para tentar a vitória. Quando um aluno faz um bom trabalho, ele é recompensado com pontos ou décimos de um ponto. A cor que mais décimos obtiver vai participar mais no governo do centro, formando o Conselho Geral.

Os cargos – A responsabilidade do comando    

Os alunos nas classes possuem cargos. A partir dos mais jovens, de 3 anos, em que sua responsabilidade é dar bom dia enquanto eles passam a lista, os maiores, os mediadores ou responsáveis por TI, passando para os jardineiros, os bibliotecários, os cronistas, os responsáveis pela ordem e higiene ou responsáveis pelo xadrez. Há cargos de funcionamento, como os responsáveis pela ordem ou os jardineiros, e cargos governamentais e de representação, como representantes de classe ou chefes de cores (caps de cores). A maioria das posições é rotativa, exceto as de representação e governo que são escolhidas por sufrágio universal. Todos os alunos encarregados de uma posição ocupam a responsabilidade de governar, respeitar aquele que possui um cargo e colaborar, pensando que um pode estar no lugar do outro em breve. As mesmas posições das diferentes classes têm reuniões de cargos: reuniões semanais de trabalho para detectar necessidades e planejar ações conjuntas, lideradas por um coordenador geral. Todos exercem a liberdade do governo, com a responsabilidade e o respeito em que isso implica.

Os conselhos – Participação no governo

No centro, existem quatro órgãos de administração compostos por estudantes. O Conselho Geral, o Conselho Auxiliar, o Conselho da Escola Secundària e o Els Caps Gerais de Cor. Cada conselho reúne-se semanalmente com a direção de sua área ou a direção geral com funções executivas e legislativas.

O Conselho Geral e o Conselho Auxiliar são formados pelos coordenadores das posições das classes primárias, o geral do sexto e o auxiliar do terceiro e é constituído a cada cinco ou seis semanas. Os bibliotecários terão Bibliotecário Geral, os jardineiros o Jardineiro Geral, etc. O acesso à posição pertence à cor que tenha obtido a melhor pontuação no período anterior à renovação. Sua principal função é liderar e coordenar o trabalho de todas as posições primárias.

O Conselho da Escola Secundaria e o Els Caps Gerais de Cor são dois órgãos que reúnem representantes de cada cor da escola secundária e primária, respectivamente, e são constituídos a cada início de curso. Os representantes são escolhidos por voto universal entre os alunos da mesma cor. Para isso, uma campanha eleitoral é organizada, uma eleição é realizada e, no final do mandato, há uma prestação de contas. Nesses conselhos existem funções de representação da instituição, legislativas em relação aos regulamentos do centro e executivas.

A Hora da Vida Social: APS e voluntariado

Uma hora por semana, por grupo, é dedicada à realização de atividades de aprendizagem-serviço no centro. Eles participam da cozinha, da recepção, da manutenção, da jardinagem, de ações da escola verde e também os mais velhos ajudam em aulas de educação infantil, ou preparando atividades de laboratório para os cursos elementares. O conceito é simples: você faz um serviço para a comunidade educacional e, ao mesmo tempo, você aprende uma competência.

Os alunos da escola secundária também realizam atividades para grupos fora da escola e alguns fora do horário escolar sob a forma de voluntariado. As atividades são realizadas em residências geriátricas, centros de educação especial e estão envolvidas em programas sociais, campanhas solidárias, etc. Alguns alunos realizam reforços educacionais para crianças em exclusão social, outros participam de atividades de proteção animal, todos à tarde ou no fim de semana.

Todas essas atividades são avaliáveis e são refletidas nos relatórios de avaliação que são relatados às famílias. O sistema de avaliação de competência de 100% não cabe aqui e seria objeto de outro artigo.

Em suma, o objetivo de toda essa organização é treinar nossos alunos em habilidades de vida. Para lhes dar ferramentas, aptidões e experiências que estamos convencidos serão tão ou mais úteis do que o conhecimento curricular em seu futuro pessoal e profissional. Para formar cidadãos livres, felizes, competentes e com consciência cívica, participativa e social.

A participação dos estudantes na governança e funcionamento da escola.
Assine a nossa newsletter

Pin It on Pinterest